sábado, 22 de outubro de 2011

Terapeutas são caros, blogs são de graça...




       Quando criei esse blog minha única pretensão era desabafar; isso mesmo: DESABAFAR! Nunca tive a pretensão de que ele se tornasse um sucesso, nunca ambicionei ser parado por alguém para comentar uma eventual postagem minha; como eu sempre brinquei com meus amigos mais próximos "meu blog é minha privada eletrônica". Claro que as coisas acabaram saindo um pouco do foco e isso não é um problema, e nem eu tenho o direito de reclamar dessa situação, afinal: "quer segredo?! Escreva em um diário!!!".

       Hoje, porém, quero voltar as origens do blog; como de fato algumas vezes eu fiz. Quero ter o direito de ser mimado e reclamar. Quero reclamar da minha vida, dos meus amores não correspondidos, dos meus amores perdidos e mais ainda quero reclamar do meus amores não sentidos. Não quero parar e ponderar sobre meu direito de fazer isso, não quero ouvir lição de moral em prol de uma ética social, então caro (a) leitor (a), antes de desejar julgar meu súbito de mimo e egoísmo eu lhe peço: PARE AGORA MESMO DE LER, esse texto é meu, e de poucos amigos que não julgarão meu direito de escreve-lo, amigos que no máximo me darão o prazer de seus abraços e silêncios eloquentes. 

       Bem, como bom virginiano que sou, vou separar e organizar os assuntos por área, assim também, caso alguém tenha continuado a ler poderá escolher apenas as áreas de interesse...


FAMÍLIA:

       Minha família está longe, mesmo com meus pais se fazendo presente diariamente em ligações carinhosas e depósitos bancários que podem ser classificados como humildes, mas que são tudo o que tem, e às vezes eu sei que é bem mais do que possuem. Sinto saudade dos meus pais, mas confesso que o restante da minha família estar distante me dá um certo alívio, melhor assim, prefiro ignorar certos problemas. Alias, não levo meu problemas pra eles, não quero os deles pra resolver, não casei com ninguém, não pari ninguém, não falei mal de ninguém, não quero ninguém me cobrando por isso, não quero esse tipo de atmosfera em volta de mim. Sim, eu quero um casulo de afastamento deles, assim meu amor por eles se mantem vivo, caso contrário não peçam paciência, o pouco que restou dela em mim eu uso para me manter vivo.


AMIGOS:

       Como diria a canção: "meus bons amigos, onde estarão?!"


   Já tive amigos que souberam de mim tanto ou mais que eu mesmo, amigos que influenciaram na minha vida, que me fizeram mudar o rumo da minha vida. Tive amigos que eram parceiros. Amigos que eram irmãos. Amigos de viagem, e amigos de viajar. Amigos que dormiram na minha cama, e que dividiram camas alheias comigo. Tive os que se fizeram amigos em apenas um olhar, e os que não duraram mais que a lembrança de um olhar. Tive tantos amigos, muitos... E quando eu falo "tive", não é porque todos esses eu perdi, mas é porque não sei onde estão e não sei também se ainda são meus amigos, fica difícil classificar quem não está, quem não sabemos, e pior ainda: quem nem lembramos.

       Atualmente meu MSN (que quase nunca uso) tem 690 contatos, meu Facebook tem 933 amigos e meu Orkut (sem uso) tem 658 amigos, eu devo fazer parte de alguma outra rede social que agora nem lembro, e eu ainda tenho amigos que não fazem parte de nenhuma dessas redes sociais, mas que estão por aí... A questão é: quantas dessas pessoas eu devo realmente classificar como amigos e ter coragem e decência de pedir abrigo, abraço e ser verdadeiro. Por que eu não estou vomitando todas essas coisas a um amigo?! Ah sim, deve ser por dois únicos motivos:
1) Não tenho coragem de confiar inteiramente nas pessoas e ter que admitir o que elas sabem, eu sou humano e cheio de erros, fraquezas e medos.
2) Não confiar nas pessoas cegamente.

       Culpa?! Acho que ninguém tem, mas também não acho que tudo seja descaso do destino, não quero julgar, não sei ser imparcial pra isso. Mas uma coisa eu sei e quero registar: sinto falta dos meus bons amigos...


PESO:

       Hoje, 4 anos e 7 meses depois de ter feito a redução de estômago, e ter saído dos 147kg chegando aos 80 e poucos, sim; 80 e poucos porque hoje de tanto que ando comendo tenho medo de me pesar, e saber que já devo estar pesando mais que meus 83kg de peso ideal. Não tenho conseguido manter uma alimentação saudável e menos ainda tenho conseguido me exercitar com frequência, ou seja, se as coisas continuarem nessa crescente logo, logo vou estar uma orca novamente, e saibam, EU ABOMINO ISSO!


DINHEIRO:

       Sou descendente de alemão, tenho o defeito do orgulho vivo em mim, correndo nas minhas veias com meu sobrenome, mas a necessidade faz milagres em nossas vidas. E hoje, como eu sempre digo: "Parei de fazer o que quero e passei a fazer o que preciso!"
      Meus pais nunca foram ricos, mas sempre tivemos uma situação financeira bem confortável, até a má administração do dinheiro, a desvalorização salarial, quem sabe o comodismo, alguns golpes que a vida sempre dá de forma certeira e a odonto me fizeram sentir as dores e os horrores da falta de dinheiro. Sim, eu sou bolsista, não pago mensalidade, mas pago fortunas em materiais práticos e didáticos, pago aluguel, água, luz, comida, roupas, transporte.
       Meus pais, pra minha dor, venderam a casa, o carro e hoje andam a pé e moram de aluguel com o intuito de que eu me forme. Além dessas perdas eles também vivem uma vida de privação social, que embora nunca comentem eu sei que existe, sei que não saem a festas restaurantes ou outras diversões que antes eram rotineiras e prazerosas a eles. 
       Eu pra ajudar a completar a grana e porque detesto a ideia de ter 26 anos e depender exclusivamente dos meus pais comecei a trabalhar a noite (único horário disponível, graças a faculdade),  nesses 3 anos trabalhei como garçom, coordenador de copa, lavei muito copo, muita louça, limpei muito banheiro, juntei muito lixo, ouvi tantas barbaridades de idiotas metidos a senhores do mundo que fiz questão de esquecer boa parte delas, o não lembrar dói bem menos. Sinceramente não gosto muito dessa posição de trabalhador noturno, eu preferia gastar 300 reais em uma noite a ganhar 45, mas preciso, levanto a cabeça e vou a luta, fodam-se!


        Trabalhar a noite e ter que estudar o dia todo é difícil, às vezes tenho medo da qualidade da minha formação, mas o importante é ter foco, e isso ainda tenho; o que me chateia mesmo são as situações em torno desse fato. Me chateia levar um "carteiraço" na noite de algum idiota com muito dinheiro que me olha com arrogância e diz com ar intimidador: "Me respeita garçom, quem tu acha que é?! Eu sou estudante universitário, eu faço odonto!" ou " é bonitinho, pena que limpa banheiros, não ficaria com alguém que limpa banheiros..." ou ainda " É por ser tão lento que vai passar a vida limpando banheiro", ou "Nunca vai deixar de ser garçom...", ou " Te desejo tudo de bom, você é um ótimo garçom, sempre terá emprego sendo tão solicito..." Tá achando ruim, pode ser pior, às vezes eu preciso deixar de fazer parte de alguns eventos sociais de alguns amigos ou colegas e no auge da sua falta de discernimento já tive que ouvir coisas como "Quanto tu ganha? Eu pago!"... É, difícil essa história de estudar quando não se tem muita grana mas se tem um ego imenso. Me sinto humilhado, esmagado e tremendamente triste cada vez que passo por uma situação dessas e preciso sorrir, e fazer de conta que nada aconteceu, de que está tudo bem, de que sou imune a feridas e comentários pejorativos...



SEXUALIDADE:


       Hoje em dia parece tudo tão lindo, tão bem resolvido; as pessoas parecem tão conscientes e abertas. Agora experimenta ser gay e dizer a suas amigas que vai sair com o marido delas pra olhar um filme, ou pra um show ou mesmo pro futebol. Explique para os seus amigos que  são pais que o mundo deles não acabou, e que não é culpa deles e nem de ninguém que o filho deles seja gay.
         Sim queridos, as coisas estão mudando, mas não se iludam, ainda é muito difícil não ser o padrão. Ainda ouvimos comentário cortantes e olhares desconfiados, ainda somos personagens recorrentes em piadinhas estúpidas e programas de comédia, travestis ainda não conseguem empregos dignos e homens afeminados não podem exerce cargos de chefia no exército, parecem condenados a serem liderados, ou no máximo conseguem boa posição em profissões especificas para quem é gay, como se isso fosse possível.
        Gay não é sinônimo de pedófilo, mas os pais não se sentem a vontade em deixar suas filhas com uma babá assumidamente gay, e pai nenhum vai querer o se garoto sendo educado diariamente por um gay, "não se sabe o quanto eles refinarão nossas crianças...". Gay não é sinônimo de tarado ninfomaníaco, eu não quero "pegar" qualquer pessoa que eu conversar, da mesma forma que não é todo mundo que vier conversar comigo que vai ter algum tipo de interesse sexual por mim...
       Queridos, dizer que as coisas mudaram, e que tudo agora é mais fácil é coisa de quem é hetero. Vivemos em tempos de guerra fria, antes nos atacavam durante o dia, olhavam em nossos olhos e sabíamos de onde vinho ódio, sabíamos de quem deveríamos nos defender, hoje tudo é as escondidas, tudo é sem ser. Hoje temos medo e receio de de quem se diz amigo até que nossa sexualidade não se aproxime.


SEXO:

       Gosto. Gosto muito! Duas semanas sem e fico mal humorado (o que não tem sido raridade acontecer...Hehehehehe). Mas sexo não é público, não faço pelas ruas ou em eventos sociais, não faço sexo com qualquer um que conversar comigo, ou com qualquer pessoa que eu beijar, faço sexo com que me der tesão e EU quiser. Pra mim sexo pra é satisfazer o outro, é ver alguém enlouquecer, faço o que for preciso pra ouvir gemidos de loucura, faço qualquer coisa pelo gozo alheio, isso é o que me move sexualmente; caso contrário, se fosse exclusivamente pra me satisfazer eu me masturbava. Então quando alguém no final de uma transa me diz em meio a risos "muito prazer", eu sei que cumpri minha missão e meu prazer é maior no silêncio pós termino que no ato de gozo.


AMORES = DORES

       Confesso que nessa hora eu começo a ponderar um pouco mais e começo a repensar o grau de verdade e fúria empregado nesse texto, acho que aqui minha vida pode descambar de vez, mas contando que ninguém mais esteja lendo, continuarei da mesma forma que comecei.
       Quero saber por que motivo eu não consigo amar quem me ama e da forma quero saber  por que quem eu amo não pode me amar?! Isso me revolta profundamente, de verdade!
       Se eu pudesse contar a quantia de vezes que chorei por alguém que não me amou, ou se eu pudesse contar às vezes que me martirizei por não conseguir gostar de quem gostava de mim.
       Esse ano em especial, doí muito por isso. Tive duas desilusões que me machucaram tanto a ponto de fazer perder a fome, o sono, a vontade e a coragem. Quis entender, quis esquecer,e hoje só o que quero é doer, sentir cada uma das partes do luto desse aborto que é só meu, afinal esse sentimento que morre antes de nascer sempre é só de uma parte. Eu odeio o silêncio mórbido que os que não correspondem nos impõe, por favor se compadeçam, olhem em nossos olhos e digam: " Não quero, não vai acontecer!" isso doerá mais, mas alimentará menos, e em pouco tempo estaremos inteiros novamente, com algumas marcas é claro, mas inteiros...
       Atualmente estou doendo uma dessas desilusões, confesso que tem sido difícil conciliar a tentativa de seguir a vida, reconhecer e permitir um novo amor com tanto rancor, mas dessa vez pelo menos eu pude agir de forma leal a mim, fui sincero, me expressei, disse tudo o que sentia e desejava, não vou ser hipócrita, falei tudo o que queria esperando pelo menos um "obrigado pelo carinho" e como não poderia deixar de ser, recebi silêncio, algumas coisas nunca mudam, e nem podemos reclamar...
       Da mesma forma que imploro por esse bom senso dos que não podem corresponder, quero publicamente pedir PERDÃO uma pessoa especial aqui, gostaria muito de SÓ POR HOJE poder ser perdoado por não poder corresponder ao sentimento mais nobre  que alguém poderia ter sentido por mim, e PERDÃO por não ter sabido conduzir a situação de forma a causar menor dor. Perdão meu último namorado!
       Sabe, às vezes eu penso que essas minhas atitudes nada mais são que frutos dos meus bloqueios emocionais, frutos de possíveis medos de me machucar, de me envolver de verdade. Seria uma ótima arma de defesa, se eu só desejar quem não me quer nunca vou ter quem eu quero e assim não me envolvo, não me machuco; mas será que eu posso ser tão baixo e tão doente assim?! Medo de mim!

RELIGIÃO

       Eu poderia polemizar aqui, mas acho tão desnecessário fazer isso, a simples palavra "religião" já traz um separatismo dolorosamente desnecessário.



       Acho que deu, qualquer terapeuta já teria me mandado embora, tudo nessa vida tem tempo.
        Esse texto deve estar cheio de erros, não vou revisar, nem editar nada, não quero correr o risco de amenizar algumas verdades, então caso tenho lido até aqui, perdoe-me pelos erros, e pelo tempo tomado, mas não esqueça: Eu avisei que seria esse vômito todo...


Nenhum comentário:

Postar um comentário